Warcraft Chronicle Volume 1 – As 13 primeiras Páginas Traduzidas.

Não é novidade para ninguém que a Blizzard Entertainment lançou o World of Warcraft Chronicle Volume 1.

Uma parte dos capítulos do Warcraft Chronicle Volume 1 foi liberado pela Dark Horse para apreciação de todos.

Entretanto tem um pequeno problema, o livro está em inglês; pensando nisso o jogador de WoW de nome Djoy do servidor Tol Barad resolveu exercitar o seu inglês e ajudar a comunidade.

Ele traduziu as 13 primeiras páginas do Warcraft Chronicle Volume 1 e postou no fórum do WoW.

Abaixo eu transcrevi o que está no fórum para tentar alcançar o maior número de pessoas.

Boa Leitura.

Warcraft Chronicle Volume 1 – Introdução à Cosmologia

warcraft-chronicle-volume-1-cosmologia

Azeroth é apenas um pequeno mundo em um vasto universo, um reino cheio de magias potentes e seres poderosos.

Desde o início dos tempos, estas forças têm influenciado Azeroth e o cosmo que a circunda, define o movimento da estrela e moldando o destino de incontáveis mundos e civilizações mortais.

Warcraft Chronicle Volume 1 – As Forças Cósmicas

Luz e Sombra

Luz e sombra são as forças mais fundamentais da existência.

Embora sejam contrários pela sua própria existência, eles estão unidos em uma  escala cósmica.

Um não pode existir sem o outro.

A Luz Pura e a Sombra habitam um reino fora das fronteiras da realidade, mas os tons de  sua presença são encontrados no universo físico.

A Luz se manifesta como magia sagrada, enquanto a sombra (também referida como “O  Vazio”) aparece como magia sombria.

Vida e Morte

As forças da vida e da morte tem influência sobre todos os seres vivos no universo físico.

As energias da Vida, conhecido geralmente como mágica da natureza, promove o crescimento e renovação em todas as coisas.

A morte, na forma de magia necromântica, atua como um contrapeso para a Vida.

É uma força inevitável que gera desespero nos corações mortais e empurra tudo em direção a um estado de decomposição entrópica e um eventual esquecimento.

Ordem e Desordem

As forças da Ordem e Desordem governam os sistemas cósmicos do universo físico.

Os Elementos

Os elementos do fogo, ar, terra e água servem como os blocos básicos de construção para toda a matéria no universo físico.

Culturas xamânicas têm procurado por muito tempo viver em harmonia com, ou até mesmo ter domínio sobre os elementos.

Para que isso aconteça, eles chamam as forças primordiais do Espiríto e da Decadência.

Na realidade, como a magia arcana.

Este tipo de energia é totalmente volátil e jogá-la requer precisão e concentração intensa.

Por outro lado, a Desordem manifesta-se como uma energia Vil altamente destrutiva.

Esta energia brutal e extremamente viciante é alimentada pela vida de qualquer ser vivo.

Aqueles que procuram trazer o equilíbrio para os elementos dependem de Espírito (por vezes referido como o “quinto elemento” por xamãs, ou “chi” por monges).

Tais seres dão vida e interconectam todas as coisas na existência como uma só.

Decadência é uma ferramenta de xamãs que visam subjugar transformar os elementos em uma arma.

Warcraft Chronicle Volume 1 – Reino dos Elementos (ou Reino Elementar)

Por muitos séculos longínquos, o Panteão continuou vasculhando o cosmos por titãs que nasciam, trazendo fim a incontáveis mundos no processo.

No entanto, apesar de seus esforços, eles não encontraram mais de seu povo.

Às vezes, os titãs do Panteão se perguntavam se sua busca era em vão, mas eles sempre resolviam continuar.

Eles sabiam em seus corações que mais almas dos mundos existiam, e esta esperança encheu-os de propósito.

Embora que o Panteão não soubesse, sua intuição estava correta.

Um novo mundo milagrosamente foi tomando forma em um canto isolada da grande escuridão.

Profundamente dentro do núcleo deste mundo, o espírito de um titã poderoso e nobre agitada à vida.

Um dia, ele seria conhecido como Azeroth.

Enquanto o titã se desenvolvia, espíritos elementais vagavam pela superfície do mundo.

Ao passar dos anos, esses seres foram se tornando cada vez mais errôneos e destrutivos.

A alma do mundo que florescia era tão vasta que tinha consumido uma parte do Espírito, mas conhecido pelos xamãs como “quinto elemento”.

Sem essa primordial força para criar o equilíbrio, os espíritos elementais de Azeroth mergulharam no caos.

Fogo, terra, ar e água eram as forças que dominavam a jovem Azeroth.

Eles apareceram em conflitos intermináveis, mantendo a face de Azeroth em um fluxo elementar constante.

Quatro senhores elementais, poderosos além da compreensão mortal, reinaram supremos sobre inúmeros espíritos menores.

Dos senhores elementais, ninguém poderia coincidir com a astúcia cruel de Al’Akir, o Senhor dos Ventos.

Ele muitas vezes enviou seus agentes tempestuosos para espionar seus inimigos e semear desconfiança entre suas legiões.

Usando fintas e artifícios, ele iria colocar os outros elementais uns contra os outros, para que mais tarde ele conseguisse libertar a fúria de seus servos em cima de seus inimigos enfraquecidos.

Os ventos uivavam e o céu escureceu com a aproximação da tempestade.

Como um relâmpago explodindo a superfície do mundo, vários turbilhões de Al’akir desceram gritando do céu, envolvendo seus inimigos em monstruosos ciclones.

warcraft-chronicle-volume-1-ragnaros

Ragnaros

O Senhor do Fogo, desprezou a forma covarde de Al’akir.

Compulsivo e impiedoso, o Senhor do Fogo libertou sua força bruta para aniquilar seus inimigos.

Onde quer que fosse, vulcões irromperam da crosta do mundo, expelindo rios de fogo e destruição.

Ragnaros ansiava por nada além de ferver as marés, reduzir as montanhas à escória, e sufocar os céus com brasa e cinzas.

Esses ataques constantes e devastadores semearam ódio nos outros senhores elementais.

Therazane

A Mãe-Terra era a governante elemental mais solitária.

Sempre protetora de seus filhos e filhas, ela levantou imponentes cadeias de energia montanhosa para repelir ataques de seus inimigos.

Só depois de terem esgotados a si mesmos tentando quebrar suas fortificações impenetráveis, a Mãe-Terra surgiu, abrindo abismos gigantes na terra para engolir exércitos elementais inteiros.

Aqueles que sobreviveram se encontrariam esquecimento nos punhos dos servos mais poderosos da Therazane: a montanha de cristais e pedras impecáveis.

Neptulon

O sábio Caçador das Marés teve cuidado para não cair nos regimes de Al’Akir ou se submeter a seus agentes para ataques infrutíferos contra as fortes cidadelas de Therazane.

Como os exércitos de fogo, ar e terra entraram em confronto em toda a face de Azeroth, o Caçador das Marés e seus elementais iriam se dividir e conquistar seus rivais em rotas brilhantes.

Caso seus inimigos fugissem, Neptulon iria esmagá-los sob maremotos que atingiriam um anão que estivesse no domínio mais alto de Therazane.

Warcraft Chronicle Volume 1 – A Vinda dos Deuses Antigos

Os senhores elementais se deleitavam em meio ao tumulto primordial até que um grupo de Deuses Antigos ficaram em queda livre na Grande Escuridão.

Eles se chocaram contra a superfície de Azeroth, incorporando-se em diferentes locais em todo o mundo.

Estes Deuses Antigos elevaram-se sobre a terra, feito uma montanha de carne marcada com centenas de bocas e olhos negros insensíveis.

Um miasma de desespero cobria tudo o que estava em suas sombras retorcidas.

Como gigantescas pragas cancerígenas, os Deuses Antigos espalharam a sua influência corruptora através da paisagem.

A terra ao redor deles fervia e murchava, tornando-se negra e sem vida.

Em todo o momento, os tentáculos dos Deuses Antigos atacavam a crosta do mundo, deslizando cada vez mais fundo em direção ao coração indefeso de Azeroth.

A matéria orgânica escoou a partir das formas arruinadas dos Deuses Antigos, dando origem a duas raças distintas.

O primeiro foram os N’raqi, astutos e inteligentes, também conhecidos como os “sem rostos”.

A segunda foram os A’qir, insectóides de incrível resistência e força.

À medida que as manifestações físicas dos deuses antigos apareciam, essas duas raças serviram seus donos com uma lealdade fanática.

Através de seus novos funcionários, os Deuses Antigos expandiram as fronteiras de seus domínios remotos.

Os N’raqi agiram como capatazes cruéis, empregando os A’qir como trabalhadores para construir cidadelas altas e “cidades-templo” ao redor do tamanho colossal de seus senhores.

O maior desses baluartes foi construído em torno Y’Shaarj, o mais poderoso e perverso dos Deuses Antigos.

Esta civilização florescente era localizada perto do centro do maior continente de Azeroth.

Com a participação de Y’shaarj, o domínio dos deuses cresceu e logo se espalhou pelo mundo a tornar-se conhecido como o Império Negro.

A ascensão do Império Negro não passou despercebida pelos elementais.

Vendo os Deuses Antigos como um desafio e uma ameaça ao seu domínio, os senhores elementares aliaram-se para extirpar as entidades de seu mundo.

Pela primeira vez na história de Azeroth, espíritos nativos do mundo trabalharam em uníssono contra um inimigo comum.

Tempestades de Al’Akir juntaram-se com funcionários inflamados de Ragnaros, criando ciclones monstruosos de chamas.

Estas tempestades de bolas de fogo assolaram o mundo inteiro, reduzindo as cidadelas do Império negro em cinzas.

Em outros lugares, Therazane levantou paredes de rochas irregulares para encurralar seus inimigos e destruir suas “cidades-templo”.

O Império de Zul e o Despertar de Aqir (16.000 Anos antes do Portal Negro)

warcraft-chronicle-volume-1-imperio-troll

De geração em geração, a vida floresceu em todo o mundo chamado de Azeroth.

Em nenhum lugar esse florescimento ficou tão aparente como nas florestas densas ao redor da Nascente da Eternidade.

A fonte vital da magia arcana de Azeroth que acelerou os ciclos de crescimento e renascimento.

Em pouco tempo, seres conscientes evoluíram na terra com suas formas primitivas.

Entre as primeiras mais produtivas se encontravam os trolls, uma raça de caçadores selvagens que cresceram nas selvas e florestas de Azeroth.

Embora os trolls possuíam apenas uma inteligência média, eles tinham muita força e uma agilidade incrível.

Sua fisiologia única também lhes permitiu que se recuperassem de lesões físicas a um ritmo surpreendente, e até podiam regenerar membros perdidos ao longo do tempo.

Os primeiros trolls desenvolveram uma grande variedade de costumes supersticiosos.

Alguns praticavam canibalismo e dedicaram-se à guerra.

Outros poucos raramente procuravam as práticas de comunhão e meditação.

Outros ainda tinham aperfeiçoado os seus laços com uma energia negra estranha conhecida como Vodu.

No entanto, não importando os seus costumes, o que todos os trolls compartilhavam era uma religião que girava em torno de deuses indescritíveis de Kalimdor.

Os trolls chamavam esses seres poderosos de “loa”, e eles os adoravam como divindades.

Devido a sua reverência para com os Deuses Selvagens, os trolls se reuniram perto de uma série de picos e planaltos no Sul de Kalimdor.

Este foi certamente o lar dos honoráveis Loas.

Os trolls deram à montanha sagrada o nome de Zandalar, e logo eles construíram pequenos acampamentos sobre suas encostas.

O grupo dos mais poderosos entre os trolls autonomeavam-se “Zandalari”.

Tais membros ficaram com a parte mais alta da montanha, acreditando que tal era um solo sagrado.

No topo dos picos mais altos eles construíram templos rígidos. Com o tempo, o lugar virou uma movimentada cidade tróllica conhecida como Zul’dazar.

Warcraft Chronicle Volume 1 – Considerações Finais

Parte do livro estava disponível para Dowload pelos arquivos da Dark Horse, a distribuidora oficial americana do livro Warcraft Chronicle Volume 1.

Retirei o link porque infelizmente não temos mais como baixá-lo.

Eu Coja, ao recuperar este texto para o site, percebi que o mesmo estava sem o Autor.

Por este motivo ele está sendo republicado com o login do próprio site.

Se por acaso você que já foi colaborador do site estiver re-lendo este texto, entre em contato comigo para que eu possa dar os créditos pela escrita de forma correta.

No mais, espero que isso ajude inúmeras pessoas que ainda não compraram o livro Warcraft Chronicle Volume 1.