LGBT Friendly – Guia de Referência LGBT+ no WoW

E novamente a tia Verd irá falar sobre LGBT.

Mas desta vez, irei fazer um apanhando geral sobre o tema.

A primeira vez que escrevi sobre homofobia foi no Herói Stunado, em uma postagem intitulada:

Onde Termina a Brincadeira e Começa a Homofobia”.

Essa postagem abordava mais especificamente o universo Blizzard.

Mas servia para qualquer situação seja dentro de um jogo ou no dia-a-dia.

O gatilho para a criação da postagem havia sido o comentário:

“Fala que Você é Gay num Game Online, tudo vira Piadinha”.

Escrito por um dos leitores do HearthStone em uma postagem sobre comportamentos tóxicos no WoW.

Na época que escrevi o artigo para a Herói Stunado.

Eu havia feito um levantamento no Grupo World of Warcraft Brasil, perguntando se alguém por ali já havia passado por algum problema relacionado a LGBTfobia (isso entre julho e agosto de 2015).

A resposta que tive era de que o comportamento dentro do WoW é muito tranquilo se for comparado a acidez em outros jogos, como no caso do LoL.

Na mesma semana que havia feito esse levantamento, o site ZH Entretenimento havia postado sobre a introdução de uma personagem trans em Metal Gear.

Gerando alguns comentários realmente agressivos contra a galera LGBT.

Num contexto geral, o resultado que havia obtido me alegrou bastante.

Mas tinha um ponto, um pontinho em peculiar que jogava (e ainda joga) essa tranquilidade para o alto:

Brincadeiras ofensivas com os Elfos Sangrentos machos, com o Anduin e as piadas de Ventobravo x Luaprata e afins.

Onde Termina a Brincadeira e Começa a Homofobia

Primeiramente, quero que vocês tenham em mente que homofobia não é apenas agredir um homossexual.

Mas sim qualquer coisa que condene ou deprecie, em maior ou menor escala, um homossexual por sua condição sexual.

Logo, se uma pessoa fala que não aceita a homossexualidade, ela seria homofóbica?

Segundo um dicionário, sim!

  1. substantivo feminino – rejeição ou aversão a homossexual e à homossexualidade.

Condenação

Vale lembrar que condenar uma conduta é diferente de condenar uma orientação sexual.

Por exemplo:

Condenar um casal gay que está andando na rua de mãos dadas ou um casal gay que está se beijando como todo casal hétero faz, sem nada demais, é homofobia.

Isso porque a causa da aversão não é a conduta, mas sim o incomodo de ver pessoas do mesmo gênero fazendo algo corriqueiro.

Agora, você condenar um casal que está sentado ao teu lado no trem se atracando e te dá uma cotovelada no meio da costela, ou começam a te empurrar com a mochila, ou os dois ocupando três lugares no trem que está relativamente cheio com gente querendo sentar, aí você está reclamando da falta de bom senso dessas pessoas e não de sua condição sexual, portanto não é homofobia.

Siiiiim a tia Verd aqui não gosta disso.

Na verdade eu tenho uma raiva colossal disso, pois isso já me aconteceu um bocado de vezes…

Apenas uma vez com um casal gay, de resto com casais hétero e todas as vezes que me ocorreu me irritou tanto quanto, não vi diferença nenhuma ¬¬.

Portanto, antes de fazer drama com coisas bizarras como “heterofobia” ou “ditadura gay”, tenham isso em mente.

Principalmente porque várias pessoas são agredidas e assassinadas devido a sua orientação sexual.

Outras tem sua auto estima extremamente abalada, levando ao suicídio em alguns casos.

Vocês podem e devem contestar a conduta de quem quiser, desde que isso não implique sobre uma condição natural que não é nociva a ninguém!

Natural e comum sim, pois existem mais de 1.500 espécies que tem membros homossexuais/bissexuais.

Uma explicação bacana sobre esse assunto é a resposta que o Eli Vieira dá ao Silas Malafaia.

É só brincadeira

“Mas Verd, o cara só está tirando um gás dos personagem apenas, não do jogador! Deixa de ser cricri ¬¬”

Galera, pode ser tiração de sarro do bichinho de pelúcia, mas se vamos expor nossas ideias, independentemente a quem se refira, temos que tomar o cuidado para não depreciar nenhum grupo!

Pode ser uma brincadeira voltada ao personagem e não a alguém real, mas o problema não é a quem está direcionada, se a pessoa existe ou não, mas a forma que foi feita.

Da mesma forma que não devemos usar características étnicas de modo pejorativo, também não devemos relacionar uma condição sexual a algo pejorativo para nada!

“Ai Verd, quanto “mimimi”. É só um jogo.

Aliás a própria Blizz tira uma da cara dos Elfos Sangrentos, porque é que eu também não vou tirar? ”

Aaaaaaah os BE… Sempre tem um Elfo perdido em algum lugar que serve de alívio cômico, isso sem contar suas falas narcisistas.

Esses realmente devem ter cuspido em algum artefato titânico.

Várias raças confundem alguns Elfos com Elfas, como o humano Maximiliano de Vila Norte que chama um Elfo de “Donzela do Litoral” na missão Donzelas foram feitas para Serem Salvas (missão hilária por sinal hauahauh).

O renegado Carcereiro Calmágua é outro, pois na missão Garotinha Perdida, ele acha que o Jãozinho Manda-muito é fêmea e o chama de Joaninha (missão muito boa também lol).

E claro que não podemos esquecer o orc Martek, o Exilado, que conta uma história sobre:

O dia em que o Asa da Morte veio: o que realmente aconteceu“, em que ele descreve quatro admiradoras, uma delas era uma “elfa robusta”, mas ele descreve claramente um Elfo ruivo (até porque a história narrada por ele nós vivenciamos no jogo e é um elfo auhauahuahauh).

Blizzard e suas Piadas

Com tudo isso, não tem como não tirar uma onda da cara dos pobres elfos.

Mas aí é que está o detalhe meu pequeno klaxxi, a Blizz tira o sarro de todo mundo no WoW, não apenas dos elfos, dando margem para todo mundo tirar onda de todo mundo.

Na verdade, nas três missões que citei, o que é engraçado não é o fato desses Elfos serem parecido com fêmeas, mas as outras raças que confundiram eles com fêmea!

Dois desses elfos estão em seus cantinhos com seus probleminhas e o terceiro que realmente age como fêmea é imaginação de um Orc, até porque, convenhamos, se não fosse imaginação ele teria percebido que não era uma fêmea no momento romântico.

Outro ponto importante, mesmo pegando muito no pé dos Elfos, em nenhum momento a Blizzard inferiorizou eles.

Voltando as brincadeiras por parte dos players, a questão não é sobre fazer uma brincadeira ou tirar uma da cara do personagem, mas como fazer isso!

Principalmente no que diz respeito aos Elfos Sangrentos, que já tem esse apelo da própria empresa.

É legal ver e fazer brincadeiras sobre as raças ou personagens.

Na verdade as brincadeiras são feitas inclusive por jogadores homossexuais.

Mas algumas pessoas apelam nessas brincadeiras e é comum achar algumas de caráter preconceituosos, usando termos relacionando homossexualidade à algo ofensivo e bem degradante e é isso que não pode ocorrer.

Vamos a três pontos fundamentais:

Metrossexual x Homossexual

A brincadeira da Blizz não é beeeeem sobre gays, pois os elfos sangrentos são taxados de absurdamente metrossexuais e não de gays.

Eles são tão narcisistas, mas tão narcisistas a ponto de ter um “/bobo” com a musiquinha “Don’t cha” das Pussycat Dolls (Don’t cha wish your girlfriend was hot like me?/Você gostaria que sua namorada fosse gostosa como eu?).

Tirando uma onda de que ele é mais “gostosa” que a mina de alguém, até porque se isso fosse uma cantada para algum char masculino, isso estaria no /flertar e não no /bobo.

Estou citando isso porque homens vaidosos ou metrossexual não são necessariamente gays e nem todo homem gay é vaidoso ou metrossexual.

Pode ser comum achar homens gays vaidosos, mas metrossexual não é sinônimo de homossexual!

Vale lembrar que o Kael’thas era vaidoso, no HotS algumas das falas do mesmo remete a isso.

Segundo Samwise Didier, o personagem foi inspirado no cantor Sebastian Bach.

Entretanto o Kael’thas era apaixonado pela Jaina e mesmo que muita gente saia “shippando” Kael’thas x Illidan, não tem nada oficial na lore que remotamente dê a entender algum tipo de envolvimento romantico entre eles.

guia-referencia-lgbt-friendly

Gaahl era o vocal do Gorgoroth e ainda é vocal de outras bandas de Black Metal, se assumiu gay e é ligeiramente agressivo (tipo, coisa leve, como ser preso por espancar gravemente um cara armado que foi contratado para mata-lo).

Já o Sebastian Bach era todo calcado na make, com várias fotos com trejeito delicado e deve ter ficado com mais mulheres que o número de habitantes da minha cidade. o.o’

Bom Senso

Uma brincadeira ou zoeira para ser legal, tem que ser legal para todos.

Se algum dos lados se sente ofendido, depreciado ou gera mal estar, ela não é legal, é sem noção.

Você até pode falar que um Elfo é gay, desde que o intuito não seja ofender e nem depreciar.

Justamente porque homossexualidade não é defeito e homossexuais não são inferiores a ninguém.

Portanto uma coisa é falar que os Blood Elfs “divam” muito, outra é falar que o Anduin tem que morrer porque é um “viadinho”.

Aliás, isso não é apenas na questão da homofobia, é para tudo!

Evite comentários machistas, racistas, xenófobos, “gordofóbicos” (até porque pandas são grandes e gordos e quero ver alguém tirar onda do Taran-zhu <3) e afins.

Cuidado com Brincadeira Direcionada 

Brincadeiras não são feitas só aos personagens, mas também aos jogadores.

Se a brincadeira for direcionada a alguém, primeiramente tente perceber se ela pode constranger alguém e se essa pessoa aceita brincadeiras, independente do que seja a brincadeira!

Se você percebeu que ela não gostou da brincadeira, peça desculpas ao invés de retrucar agressivamente.

Se desculpar não dói, é de graça, evita discussões desnecessárias e acaba com a impressão de que você possa ser uma pessoa agressiva ou indelicada.

Outra coisa, se você não gosta que brinquem com você, então mais cuidado ainda, pois a brincadeira pode voltar-se contra a pessoa que começou.

Muita gente adora uma zoeira, outras não, respeite isso.

E para a galera que está vendo a discussão, não alimente o Troll.

Exceto os Lança Negra, esse você alimenta antes de cada raide de preferência. xD

Quanto as cidades, tentar inferiorizar qualquer cidade usando qualquer sinônimo de homossexual de forma depreciativa é ruim!

Porque, como já disse antes, “gay” não é ofensa, não é sinônimo de melhor ou pior que algo ou alguém, é simplesmente um sinônimo de homossexual, de alguém que gosta do mesmo gênero, ponto e acabou.

Falar que a Bastilha Ventobravo ou o Palácio Solfúria parecem o castelo da Barbie pejorativamente, alegando que são gays, desmerecendo a facção rival, a facção da qual faço parte é melhor por que não tem nada gay, isso meu colega, não é legal.

Necessidade de Ambientes LGBT Friendly

Esse assunto é bem delicado e tentarei explicar da forma mais clara e didática possível.

Mesmo com tudo o que citei acima, todos nós sabemos que comportamentos homofóbicos ingame não vão parar.

Pode ser até que haja a diminuição de ataques diretos aos jogadores, mas inconscientemente pode ocorrer as brincadeiras que citei acima.

Para isso, quero que tenham em mente que irei abordar sobre comportamento e para ficar mais fácil irei fazer algumas analogias.

É comum em qualquer meio social uma generalização de comportamentos em ambientes propensos à um maior ou mais poderoso grupo.

Mesmo que não seja algo consciente.

Exemplos claro disso é o patriarcado, elitismo ou do “colorismo/pigmentocracia”

Algumas pessoas são realmente machistas, elitista ou racistas e parecem que fazem questão de continuar sendo.

Mas, quanto mais o assunto é abordado, mais pessoas ficam cientes de quão prejudicial é e passam a evitar comportamentos declaradamente machistas ou racistas.

Mas no dia a dia, é inevitável que pequenos comportamentos que ajudam a construir esses preconceitos acabam aparecendo.

Racismo Institucional

Vou usar de exemplo o colorismo/pigmentocracia por um vídeo referente ao racismo institucional.

Esse vídeo em si eu acho um pouco tendencioso, pois em algumas fotos as pessoas estão diferentes, com expressão corporal e fisionomia diferente.

Mas três fotos estão iguais:

A foto dos homens correndo, dos homens de terno e das mulheres segurando uma peça de roupa e por conta dessas três fotos, acho esse vídeo válido.

Portanto peço que foquem nas respostas dessas três fotos.

Esse vídeo mostra pessoas que não estão com o intuito de denegrir, estão apenas dizendo o que associa ao ver as fotos.

Independentemente de ser simples atuação ou de realmente ser uma experiencia, esse tipo de associação ocorre no dia-a-dia.

Concluindo, por mais combatido e evitado que seja, a herança em nossa sociedade do racismo é tão grande que a marginalização ocorre até mesmo de forma inconsciente.

Isso é horrível? É, mas ainda assim ocorre.

E quanto mais características da cultura negra um individuo é adepto, mais marginalizado ele será.

E isso também ocorre com a comunidade LGBT.

Quanto mais fora de padrão uma pessoa LGBT é, mais exposta e vulnerável ela é.

Gerando estranheza em ambientes comuns.

Fazendo com que essas pessoas fora dos padrões busquem ambientes com mais pessoas que a compreendam e que a façam  se sentirem seguras.

Criando uma demanda de ambientes amigáveis a pessoas LGBT, que não as marginalizem ou as depreciem por não se enquadrarem no padrão heteronormativo.

Seja ambientes físicos ou virtuais.

E…Querendo ou não, em ambientes de jogos online existe uma heteronormatividade muito forte.

Heteronormatividade

Aaaahhhh a heteronormatividade… é nesse ponto que os javatuscos torcem o rabo.

Preciso abordar sobre a heteronormatividade para explicar a necessidade de ambientes LGBT Friendly e porque não são todos os membros da comunidade LGBT que buscam guildas LGBT Friendly.

E também a necessidade até mesmo ambientes predominantemente LGBT.

Primeiramente, vou falar resumidamente que significa “heteronormativo”.

  • Heteronormativo:

Termo que designa apenas dois esteriótipos de comportamentos complementares como normal e padronização de macho x fêmea, marginalizando todos os outros comportamentos que fujam à esse padrão.

Logo, toda e qualquer situação que saia desse esteriótipo é visto com estranheza em menor ou maior escala por comunidades heteronormativas.

Vejam bem, heteronormatividade é um conceito relacionado a COMPORTAMENTO e não a condição sexual em si!

Logo, não são apenas heterossexuais que possuem comportamentos heteronormativos (mesmo que todos membros LGBT+ jamais serão totalmente heteronormativos).

De uma forma bem simplista, a heteronormatividade é como uma cartilha invisível que dita como uma mulher ou homem tem que se comportar de acordo com o seu sexo.

Uma cartilha invisível que nos é imposta desde o nosso nascimento.

Mulheres tem que ser delicadas, femininas e sutis  enquanto homens tem que mostrar força, controle e virilidade.

Qualquer coisa que saia disso começa a gerar estranhamento e quanto mais fora do comportamento heteronormativo, mais vulnerável a pessoa é.

Machona X Afeminado

Imagino que muitos de vocês já devem ter ouvido a infame frase “não tem problema ser gay, o problema é ser afeminado e blábláblá”

Pois é pessoal, devo dizer que não existe nenhum problema em um homem ser afeminado ou uma mulher ser masculinizada.

Mas por conta da heteronormatização muita gente estranha.

Dependendo do caso o estranhamento é tão grande que gera agressão física ou verbal.

E como disse acima, a heteronormatividade não é algo exclusivo de heterossexuais.

Em nosso subconsciente caracterizamos todas as pessoas como heterossexuais.

E é algo tão enraizado que separamos totalmente as outras condições sexuais.

Exemplo disso é a discussão que ocorre quando há uma movimentação para representatividade de casais LGBT na mídia.

Uma das coisas que mais se vêem é “agora tudo tem que ter representação  lgbt? Isso tá ficando chato”

Personagens Gays

Mas muitos filmes/livros/jogos não mostra a sexualidade de um personagem.

Exemplo disso é o Dumbledore de Harry Potter que gerou um certo bafafá quando foi anunciado que ele era gay.

Mas em nenhum momento nos livros havia mencionado qualquer coisa sobre a sexualidade dele.

Da mesma forma que um personagem ao se relacionar com o sexo oposto, quase ninguém lembra que a pessoa pode ser bissexual.

Comportamentos heteronormativos pode ocorrer inclusive em uma parcela de lésbicas, bis e gays que não possui características divergente entre seu comportamento e gênero.

Da mesma forma que homens heterossexuais que são metrossexuais possuem sua sexualidade questionada por várias pessoas devido sua vaidade.

Ou mulheres que preferem manter os seus pelos ou que aderem a causas feministas são frequentemente associadas a lésbicas, mesmo muitas sendo hétero.

Esse é um dos motivos de que alguns membros da comunidade LGBT+ são mais “sociáveis” do que outros.

Também é um dos motivos de que alguns héteros se sentem mais confortáveis com a comunidade LGBT+.

Quanto mais fora dos padrões heteronormativos, mais isolados os membros LGBT+ ou pessoas fora de padrões heteronormativos se tornam.

Sendo assim há necessidade de buscar ambientes onde se sente mais seguros e não tenha medo de ser quem realmente é.

Guildas LGBT Friendly

Guildas LGBT Friendly são guildas onde não há necessariamente um grupo de maioria LGBT+ ou estritamente LGBT+, mas possui um ambiente amigável à LGBT+.

As Guildas LGBT Friendly tem como via de regra o respeito entre os jogadores em primeiro lugar.

Não havendo espaço para comportamentos que possam constranger em menor ou maior escala os jogadores LGBT+.

O ambiente é, sem sombra de duvida, mais agradável porém é possível ter um estranhamento ou outro com algum membro.

Nesses casos se houver o desrespeito, evite o confronto direto e leve o ocorrido aos adm dos grupos ou das guildas para que sejam tomadas as devidas providencias.

Vale ressaltar que ambientes considerados LGBT+ friendly não é amigável apenas a comunidade LGBT+.

Mas por via de regra possuem o respeito acima de tudo, seja também racial, gênero e afins.

guia-referencia-lgbt-friendly-wow-capa

Lista de Guildas LGBT Friendly

Como disse acima, mesmo sendo membro da comunidade LGBT existe uma maior ou menor identificação com a comunidade LGBT+.

Da mesma forma que em Guildas de maioria heteronormativo tem um comportamento voltado a esse padrão, mesmo que evitando qualquer forma de desrespeito, guildas majoritariamente LGBT+ tem um comportamento que foge muito a padrões heteronormativos, utilizando bastante gírias e termos comuns a comunidade LGBT+.

Tornando-se ambientes amigáveis para LGBT+, porém com ambientação diferente.

Algumas pessoas LGBT+ não se identificam muito com o comportamento encontrado em guildas majoritariamente LGBT+.

Da mesma forma que existem héteros que se sentem melhor em ambiente majoritariamente LGBT+.

Para uma melhor identificação referente a essas guildas irei colocar dois tipos de legenda:

  • LGBT+ Friendly:

Guildas que presam o respeito para todas as sexualidades, mas que não é necessariamente de maioria LGBT+.

  • Hétero Friendly:

Guildas majoritariamente LGBT+ ou com foco na ambientação LGBT+ que aceitam heterossexuais mediante o aviso de que o comportamento vigente da guilda não é heteronormativo.

Listagem de Guildas

Outro detalhe importante é manter uma comunicação saudável referente a essas guildas e membros das mesmas serão muito bem vindos ao relatar como é a vivencia nessas guildas 🙂

Se você possui uma guilda “LGBT Friendly” ou “Hétero Friendly” entre em contato com o Coja ou comigo e peça para incluir nessa lista.

Espero que tenham gostado =)